AMAMENTAÇÃO – COMO O STRESS AFETA NA PRODUÇÃO DE LEITE | MACETES DE MÃE

Você já ouviu falar que há mulheres que não menstruam quando estão passando por alguma situação desencadeada por estresse emocional? Isso ocorre por que o estresse libera hormônios específicos que danificam o funcionamento natural do corpo. Assim como a menstruação, a amamentação também pode ser prejudicada quando se vive momentos difíceis.

Mas, para compreender melhor a relação entre estresse e a amamentação, vou primeiro falar sobre como o corpo da mulher funciona durante gravidez, o parto e o pós parto.

NA GRAVIDEZ:
Seios ficam mais doloridos: Os seios iniciam o desenvolvimento necessário para o preparo da amamentação logo no começo da gestação. Os hormônios estrógeno e progesterona, os quais são produzidos pela placenta, permitem o aumento dos seios e maior sensibilidade ao tocá-los.

Mudança nas aréolas: As aréolas escurecem e nelas surgem pequenos caroços que produzem uma substância a qual tem o objetivo de limpar e proteger o mamilo para que o ato de amamentar seja tranquilo para o bebê e ele possa se alimentar calmamente.

NO PARTO:
Na hora do nascimento, prolactina é liberada no sangue e chega aos alvéolos: Quando o bebê nasce, o corpo da mulher elimina na corrente sanguínea a prolactina, um hormônio que chega aos alvéolos mamários, onde o leite materno é produzido.

NO PÓS PARTO:
Leite ter sido produzido não quer dizer que ele irá “descer”: Quando o leite materno é produzido, não quer dizer que ele irá “descer” imediatamente. Para que isso aconteça, é imprescindível que o bebê sugue o seio e estimule a descida do leite.

A sucção estimula a produção de ocitocina: A sucção do bebê ativa as terminações nervosas do mamilo, que induzirão para o cérebro da mãe a declaração de que há um bebê que quer se alimentar. O cérebro, então, responde com a fabricação de um hormônio denominado ocitocina. A ocitocina estimulará os músculos que estão localizados próximo aos alvéolos mamários, que se contrairão, permitindo que o leite materno chegue aos mamilos e o bebê possa mamar.

ONDE ENTRA O STRESS NESSA HISTÓRIA TODA?

Os hormônios vinculados ao estresse são capazes de dificultar a atuação da prolactina (que é responsável pela produção do leite) e da ocitocina (responsável pela descida do leite). Assim, um pico de stress faz com que a mãe produza leite em menor quantidade ou, então, atrapalhe a sua descida até o ponto, inclusive, dela ser bloqueada.

Ainda, mães estressadas apresentarão mais dificuldades em segurar direitinho a criança no peito e, assim, o bebê terá grande probabilidade de não conseguir abocanhar da maneira correta a aréola, sugando com falha e, por conseguinte, ingerindo pouco alimento. Como a sucção permite a liberação do hormônio ocitocina, a descida do leite também ficará prejudicada.

Assim, quanto mais dificuldades a mãe encontrar para amamentar no início, mais complicado será o ato de amamentar, pois ela ficará nervosa, o leite não será produzido ou não descerá, a criança não mamará direito por mau posicionamento ou por falta de leite, começará a chorar e aí a mãe ficará ainda mais irritada. Ou seja, um ciclo vicioso.

Para evitar isso, a mãe necessita amamentar com calma para que, desta forma, o leite seja produzido, desça e o bebê realize a pega correta do mamilo para que todos os demais hormônios integrantes do organismo da mãe trabalhem da forma sincronizada.

IMPORTANTE VOCÊ SABER:

Na realidade, pesquisas afirmam que amamentar auxilia a reduzir o mau humor, pensamentos negativos e o estresse. Desta maneira, prosseguir a amamentação é um ótimo caminho para suportar instantes estressantes.

A relação pele a pele entre mãe e bebê e a pega correta da mama instigam a produção de leite e do hormônio ocitocina, que tem efeito calmante.

É fundamental que você busque tranquilizar o seu corpo e sua mente sempre que possível e realize atividades que gerem o relaxamento.

Caso a produção de leite comece a cair, as providências para uma ação imediata são aumentar o consumo de líquidos, conservar períodos para descanso, comer bem e amamentar com assiduidade, sempre que o bebê exigir.

Para receber aviso de vídeos novos, ative o alerta de notificações (clicando no sininho).
Confira outros vídeos que você irá curtir:

PEGA INCORRETA DO BEBÊ NA AMAMENTAÇÃO:

10 DICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE LEITE:

AMAMENTAÇÃO EM LIVRE DEMANDA:

MASTITE – PROBLEMA COMUM NA AMAMENTAÇÃO:

5 FORMAS DO PAI AJUDAR NA HORA DE AMAMENTAR O BEBÊ:

https://www.macetesdemae.com/
https://www.facebook.com/macetesdemae/
https://www.instagram.com/macetesdemae/

https://br.pinterest.com/macetesdemae/

Produção:
https://www.laranjaazul.com.br/

Maquiagem:
@nanyferreiramakeup

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *